Coisa de gente grande

  • Post author:
  • Reading time:1 mins read

Eu sou fraco
Acordo atrasado e fico deitado sem poder
E se nada me força a levantar
Sabe-se lá quantas horas vou perder

Se sou agora, serei amanhã
Um desejo aflora de um menino que sonha
Quantas noites que sonho em sonhar,
Pra me assustar com a realidae
Que me pus a imaginar?

Desejos e sonhos, impulsos e planos
Ser fiel a todos é ledo engano
Uma moça sábia me disse um dia
Pra perseguir os sonhos, pois via
O como nos traem os planos
Como sou fraco, no calor de um ato
Tracei uma linha em tinta de caneta
Pra evitar que as borrachas da vida
Ou a conveniência de formas óbvias
No meu caminho depois se intrometa.

Desconfio que o desenho possa mudar no futuro
Então me enjaulei com meu sonho mais puro
Assim o tédio não pode me aprisionar
Assim por mais que seja duro
Não vai me faltar o que amar.

-R.C.

Continue ReadingCoisa de gente grande

Os anos

  • Post author:
  • Reading time:1 mins read

Os anos ficam mais difíceis conforme eles passam
E não há como pará-los
Nem eles, em si, ou sua crescente força
É a natureza da passagem do tempo
O segundo sobe em seu ombro como uma criança brincando
(Drummond avisou sobre o mundo bem como a velhice)
E vão se acumulando até que não se aguenta mais

O que posso fazer, se o peso fica tão grande?
Quem sabe compartilhá-lo.

Quem dirá quão difícil será?
Só o tempo.
Mestre de si, causa e indicador.

-R.C.

Continue ReadingOs anos

Uma tarde de chuva em minha antiga casa

  • Post author:
  • Reading time:1 mins read

Como uma bandeira de um país que já não existe mais
Cujo hino já não se entoa
E o juramento há muito não é feito.
Mais que esquecido, abandonado
Jogado ao vento sem qualquer significado
Sem origem, sem final
Não eterno, não finito
Quase vazio, mas cheio de algo xoxo.
Se houvesse memória, seria pouca
Se fosse pouco, de nada valeria.

Não há motivo intrínseco para estar no mundo
Mas algo nisso incomoda muito…
Só vale se há grandes feitos?
se há motivações maiores?
Cansaço pela busca desse sentido
E não sei quando isto passará.

Quero salvar vidas mas minha alma se perde mais e mais.

-R.C.

Continue ReadingUma tarde de chuva em minha antiga casa

O Pombo Urbano

  • Post author:
  • Reading time:1 mins read

A Rotina é perigosa
Te enrosca sem ver
Funcionalmente engenhosa
Faz o que fazes sem ser
O que quem sabe gosta

A rotina tem seu perigo
Uma chuva ácida
Que ao buscar abrigo
Conta não se dá
Do conforto ao se banhar

A rotina ajuda
É tediosa, escravisa
Te empurra
Não quero dizer civiliza,
Mas em certo nível
Faz o dia-a-dia mais digerível.

A rotina não mata
Mas há vida na rotina?
Há vida automática
Que não pensa nem procrastina?

Vida mecânica…
Vida de máquina.

-R.C.

Continue ReadingO Pombo Urbano

Dialética

  • Post author:
  • Reading time:1 mins read

Não tenho sentido na vida que vivo
Não vejo futuro nesta situação
Mas não vivo nada tão incisivo
Negativo de antemão

Não é que sou triste
Só não estou feliz
Acreditei que quem insiste
Vive sempre o que quis
Espero que deposite
No meu quadro pouco giz
Pois exclamação se existe
Se anima com o que fiz.

Não tenho sentido na vida que vivo
Não vejo futuro nesta situação
Mas não vivo nada tão incisivo
Negativo de antemão.

-R.C.

Continue ReadingDialética

Tudo são vontades

  • Post author:
  • Reading time:1 mins read
Vontades.
Não me trazem vantagens
São mistos de quero e adoro,
Só aumentam se demoro
Se satisfaço, comemoro
Mas sei que mesmo com tanto cansaço
Desse sentimento me desfaço
Vontade.
Ela cresce do nada,
se disfarça de saudade,
De falta, tédio, sede
E até se acaba
Faz favor de voltar
Quando está de volta,
Escurece o pensar.

Tudo são vontades.

-R.C.

Continue ReadingTudo são vontades

Heresia

  • Post author:
  • Reading time:1 mins read
Se meu destino transita
Entre o que é e o que imita
Distinguo o que me irrita, como me excito
E escolho o que rejeito, o que aceito.
Não vivo todo afoito,
Há o que me anima
Agora, com dezoito
Não posso ver por cima

E quão fácil seria?
Tratar ilusão como heresia?
-R.C.
Continue ReadingHeresia

Desabafo de agora

  • Post author:
  • Reading time:1 mins read
Não penso em você
Mas se penso,
É com melancolia, não saudade
De quem era companhia sem maldade
E fica então essa vontade
De expressar o que vem do coração
Somente ao chegar a ocasião

Mas como disse,
Não penso em você.

-R.C.

Continue ReadingDesabafo de agora

Pressentimento – prosaico de Fernando Pessoa

  • Post author:
  • Reading time:3 mins read

Há muito já te quero mas não via um momento de dizer. As tentativas foram infinitas, mas o momento nunca parece certo; o sol se esconde, ou minha coragem desaparece, ou brigamos, ou tudo é perfeito, mas falta algo. Eu consigo te descrever desde o fio de cabelo, menina dos olhos, defeitos do nariz, tamanho de pescoço, seios, formato da bacia, volume das coxas e o quanto tu calças. Eu sei o que aprecio em cada uma dessas qualidades e nas que não podem ser observadas. Demora para eu colocar pra fora que te quis e quero.

Sabe, não faz sentido só falar dos seus olhos: que são azuis, você já sabe; a maneira com a qual eles se impõem sobre tudo observado também não é segredo; qual pequeno detalhe eu devo colocar para ilustrar o quanto eles me atraem? Não sei. O mesmo vale para teu corpo, tua mente, teu espírito. Sinto que tua alma me atrai, tua aura me toca- mas se nem os grandes poetas conseguiram falar tudo do amor, quem sou eu pra tentar te dizer? Mesmo a lista completa tem furos, porém, é negligente não listar.

É negligente pois eu hei de te dizer tudo que amo. Mas, quanto mais falo que te amo, você parece não ouvir. É um efeito bizarro: o que eu sinto precisa ser externado, mas entrelinhas parecem inexistentes para você. Se não falo, não te atraio. Se te calo, te espanto. Sem falar do que tenho em mim pra ti, fico angustiado. Preciso falar para que saibas; precisas ouvir para que possas dizer.

Mas não falo. Não ouves. Não sente o mesmo. Não nos unimos. Fico sem voz para ti. Qualquer um vê que perco a vitalidade a cada momento.

Sem mais meios para lhe comunicar, expressar e suceder, ouso pôr em palavras o indescritível, para quem sabe você entenda. Ouso tentar tirar de mim algo essencial, para quem sabe tu sintas o quanto és especial. Tiro da minha mente um pouco de mim, para quem sabe você me tenha contigo…

-R.C.

Continue ReadingPressentimento – prosaico de Fernando Pessoa

Ódio intrínseco

  • Post author:
  • Reading time:1 mins read
Algo que odeio e o quanto eu quero te odiar
Mas não consigo
Eu queria bater a porta, trancar, jogar a chave longe
Meter móveis na frente
Tudo pra não ver nada que toque tu
Rupi Kaur acertou na mosca:
O ar não tem uso,
A luz não é bem vinda,
A água sujismunda.
Mas não consigo.
Se fosse eu no teu lugar, não me perdoaria.
-R.C.
Continue ReadingÓdio intrínseco