Cobertor vivo

As montanhas são cobertas por árvoresE as plantas a base em seu chãoCai sal na pia de mármoreDo tipo que esteve em sua formaçãoSem misticismo só constataçãoTudo vem do Tao,…

Continuar lendo Cobertor vivo

Solilóquio

Estar a sós é um exercícioQuando começa, parece tão difícil,Mas necessário, instigado e executadoComo tivesse endorfina, dá prazer sem estragoPorém  pode doer sem querer, quem sabePra ser sincero, nunca se…

Continuar lendo Solilóquio

Passou já o tempo de ir

Chegou a horaEu tenho de deixar de ladoAquilo que me serviu,Mas me limita.Então agora,Jogo pro passadoIsto que curou,Mas irrita;Que inovou,Mas imita;Me serviuNão mais. Sem mais restrições,Sem mais precauçõesQue seja o…

Continuar lendo Passou já o tempo de ir

Eulogy

I have written, in the course of my life, more poems declaring my death than I can count- and I thought it would be a thousand other ways- but if…

Continuar lendo Eulogy

Sobre a ausência

Opa, tudo bom? Venho por esta explicar o porquê de nas últimas semanas estarmos sem textos novos aqui no Literatura de Metrô. Seria mentira dizer que é 100% por foco…

Continuar lendo Sobre a ausência

Escalas

Adão corre. Sai correndo pelo corredor extenso e frio da saída do avião. Somente com uma mochila levemente preenchida e uma garrafa d’água nas mãos, não podia ser mais econômico…

Continuar lendo Escalas