Terra da Garoa

  • Post author:
  • Reading time:2 mins read

Hoje choveu garoa na cidade de São Paulo e, meu amor, senti que a cidade voltou ao seu natural de tristeza que não te vi.

Fazia tempo que a metrópole não se rendia à moda antiga, deixando (por uma tarde) de lado as tempestades ou secas modernas.

Quando senti o sereno no rosto, veio calma advinda de um outro tipo de nostalgia. Era saudade. De uma neblina fraca, mas atrapalhando o olhar, comparado com a visão, de uma rotina que, apesar de nunca tida, eu abandonaria com você.

O amor que tenho por você é semelhante ao amor a deus; acredita-se na existência e defende-se com tudo algo que, pela falta de matéria, é pouco mais que (ou somente) uma idéia. O amor que espero de ti é como o temor da morte; imponente, algo só pensado quando se chega perto. Quero que sejas minha viúva, sem morte ou casamento, e, olhando essa garoa caindo do céu paulista, veja nela as lágrimas, não choradas pela minha não-morte, e o não-luto seja eterno. As lágrimas que espero de ti são como flocos de gelo: frios, escondidos quando sós e claros na abundância. Que venham numa mudança brusca de calor em ti e, por um instante, percebas a falta que lhe faz meu calor.

Choveu hoje e, ao fechar um pouco os olhos para ver melhor, decidi tirar o capuz e sentir a água caindo.

Lembrei de como contei da natureza mágica da chuva, como aparecia nos meus maus momentos e lembranças. Sentindo as gotículas na nuca, tentei buscar em mim o ruim ativador da chuva e vi como sentia sua falta, mesmo te vendo todo dia (quase), pelo fato (em pouco tempo) não mais lhe ver. Não te peço para esperar, meu amor.

Só lhe peço para, quando São Paulo resolver garoar, lembrar-se de mim.

L.Giannoni

Continue ReadingTerra da Garoa

Uma lição de jovem

  • Post author:
  • Reading time:2 mins read

Quantos anos precisam passar
Pra perceber que você não alcançou a felicidade
Mas sim aprendeu a ser infeliz
Quantos anos
Até que s gente entenda que não é só um lugar
Não são só pessoas
Que somos seres tribais
E tudo bem se entregar a essa natureza de pertencimento

Já passaram anos
E não entendemos que o tempo de viver
Não é depois
A faculdade precisa ser apreciada
O trabalho precisa de algum prazer
E a viagem hei de ser estas férias.
Quando chegar a velhice,
Ela tem sim que ser descanso
Porém não uma redenção
Mas sim um momento de reflexão

Quantos anos precisam passar
Pra gente entender que os detalhes
Esses sim valem nossa atenção
Pois ainda que vivamos nos retalhos
Se deus sabe onde focar
Só nos resta aprender a imitar.

Pois é
Passam os anos
E parece que estamos cada vez mais longe
Longe de casa
Longe da infância
Longe da família.
A casa que te acolheu durante sua jornada,
A infância que te nutriu com tantas memórias
A família que te suporta quando cais.

Precisa ser assim?
Ou só escolhemos os caminhos difíceis
Por não sermos ensinados direito?
“A vida é difícil”, me disseram os velhos
Eu aceitei com humildade de um aprendiz
Pra hoje assumir que ela podia ser mais simples
“A gente vive em guerra consigo mesmos”, me disse uma jovem
E ali sim, eu entendi
Que o tempo de ser é hoje
E podemos ser felizes agora.

Quantos anos se passaram?
Muitos mesmo.
Mas já passaram todos que precisei.

L.Giannoni

Continue ReadingUma lição de jovem