Solilóquio

Estar a sós é um exercícioQuando começa, parece tão difícil,Mas necessário, instigado e executadoComo tivesse endorfina, dá prazer sem estragoPorém  pode doer sem querer, quem sabePra ser sincero, nunca se…

Continuar lendo Solilóquio

Passou já o tempo de ir

Chegou a horaEu tenho de deixar de ladoAquilo que me serviu,Mas me limita.Então agora,Jogo pro passadoIsto que curou,Mas irrita;Que inovou,Mas imita;Me serviuNão mais. Sem mais restrições,Sem mais precauçõesQue seja o…

Continuar lendo Passou já o tempo de ir

Eulogy

I have written, in the course of my life, more poems declaring my death than I can count- and I thought it would be a thousand other ways- but if…

Continuar lendo Eulogy

Sobre a ausência

Opa, tudo bom? Venho por esta explicar o porquê de nas últimas semanas estarmos sem textos novos aqui no Literatura de Metrô. Seria mentira dizer que é 100% por foco…

Continuar lendo Sobre a ausência

Escalas

Adão corre. Sai correndo pelo corredor extenso e frio da saída do avião. Somente com uma mochila levemente preenchida e uma garrafa d’água nas mãos, não podia ser mais econômico…

Continuar lendo Escalas

Pedaço de paz

Faça desse mundo seu jardimCresça tantas foresdesenvolva teus valoresE depois de tudo, volte pra mim Secas e torrenciaisSão parte do processoDe deixar no solo impressoSeus diferenciais Da natureza os defensoresFazem…

Continuar lendo Pedaço de paz

Travesseiro

Os nossos filhos já tinham nomeNenhum sonho passava fomeComo um ciclo não se consomeO sono agora some Não creio que foi tão momentâneoO futuro era certeiro e espontâneoO presente tão…

Continuar lendo Travesseiro